->RAPIDINHAS 2:Baixa o pau no carnaval

Último sábado antes do carnaval é dia de Banda Mole ,em Belo Horizonte. Nesse dia, estive passeando por um chuvoso Parque Municipal, por conta de uma possível apresentação do espetáculo  de rua ” Circo do Lixo”( direção minha e do Chico Aníbal) para a comissão do FIT, que está selecionando espetáculos da cidade que farão parte da programação do festival.

A chuva era tanta que nem os jurados conseguiram aparecer, mandando notícias pelos respectivos celulares. Pois bem, saindo do Parque, dou de cara com alguns gatos pingados e molhadíssimos caminhando com uma animação “allegro ma non troppo” em direção ao quarteirão da Av. Afonso Pena, em frente ao Palácio das Artes. Oba, é dia de Bnada Mole!

Mas qual não foi a minha surprêsa ao me deparar com um verdadeiro corredor polonês de policiais, revistando furiosamente os candidatos a foliões. A coisa era tão acintosa que até os cabelos de alguns rastafari eram vasculhados agressivamente pelas forças de segurança. Parecia que a tranquilidade da Tradicional Família Mineira estava sériamente ameaçada por aqueles gatos pingados que só queriam extravasar um pouco. E fiquei pensando  com meus botões, subindo a rua Guajajaras, em direção ao Café Khalua: o carnaval de Belo Horizonte morreu exatamente por causa da polícia. E não é delírio de esquerdista. É um fato.Ou como diria o Nélson Rodrigues, “é batata”. Não se é permitido nenhum tipo de extravasamento nas ruas da nossa cidade.Aliás, eu nunca vi uma cidade ter tão poucos bancos para que as pessoas se assentem e simplesmente pensem um pouco na vida.. A rua aqui é para se trafegar e tudo muito bem vigiado pela forças de segurança.

E assim terminei minha melancólica tarde de sábado de Banda Mole. Sem espetáculo, sem folia e acompanhado de pesarosas elocubrações. Carnaval é sinônimo de pelo menos um pouco de transgressão e loucura. E não há transgressão que sobreviva a um corredor polonês de fardados. Por mais que a vodka tente fazer milagres.  

2 Respostas para “RAPIDINHAS 2:Baixa o pau no carnaval”

  1. Pô Eduardo, não é só em BH, não. Aqui em Cuiabá temos os desfiles de blocos de carnaval. Um sarro! Acontece na zona portuária da cidade, local de feira, de prostíbulos, bocas de fumos e demais doidões, além da cuiabania que se recusou a ir para outro bairro e que mora lá há várias gerações. Fui convidada para ser jurada do desfile, porque sou atriz e diretora de teatro, para eles, tem tudo a ver. Foi maravilhoso o desfile dos blocos, você ia gostar; principalmente da mistura de donas de casa com biquíninhos cheios de lantejoulas, disputando pista com os travestis magrinhos de plumas e paetês! Mato Grosso já tem tradição desse tipo de mistura. Em Santo Antônio do Leverger os blocos lá são Seu Cú que Brilha, que tem até hino cantado aos berros por todos; Chana Cheirosa; Seu Pau Brilhoso e por aí vai. Pergunte ao Amaury Borges que ele te conta, e vê se vem pra cá algum dia para conferir. Um beijão a todos por aí.
    Juliana

  2. Gentee vocês vieram a Campo Grande MS ha alguns anos e eu fui no camarim de vocês, gravamos uma entrevista para o jornal local, vocês possuem algum arquivo desse momento?

Deixe um comentário