->Ultimas do Galpão

Pesquisas acerca de uma nova montagem

Visando a definição da próxima montagem do Galpão, os atores do grupo apresentaram propostas cênicas individuais, que foram mostradas no espaço da Pitangui, 3413. A mostra de doze cenas foi uma rara oportunidade para se levantar um painel de possibilidades e nos ajudou também a fazer um primeiro rascunho do rumo artístico que o grupo deve tomar para sua próxima produção teatral. As apresentações foram feitas para um público interno, com a presença apenas dos  atores e da equipe do próprio grupo. Sem adiantar nenhum detalhe, tive a impressão de que o resultante foi bastante instigaste e animador.

 

Partindo para o Jequitinhonha

Depois de mais de sete anos, o Galpão volta a fazer uma caravana teatral pelo vale do Jequitinhonha, uma das regiões  de cultura popular mais ricas do Estado e do país. A turnê será uma oportunidade de reencontrar velhos amigos e tomar pé do que anda acontecendo na cultura local. Nas viagens o elenco está tentando, ao máximo,estabelecer contato com artistas e grupos locais. É uma forma não só de divulgar o trabalho e as técnicas de criação do grupo, como também conhecer o trabalho dos artistas do Vale.

Retorno de dois importantes festivais internacionais na América do Sul

O Galpão marcará presença na volta de dois importantes festivais da América do Sul, que voltam `a ativa – Bogotá e Caracas. Os dois eventos já marcaram época no calendário cultural do nosso continente e estavam passando por dificuldades financeiras nos últimos anos. A retomada é fundamental para que os grupos da América do Sul se encontrem e intercambiem ideias e propostas. Além do encontro com grupos de outros continentes  e realidades. O Galpão fará apresentações do espetáculo “Till, a saga de um herói torto”, dirigido por Julio Maciel.

Nova York é do Bardo

Incrível como a grande vedete do inverno teatral de Nova York, tanto no circuito Broaway como off-off Broad é o dramaturgo inglês William Shakespeare. Só para se ter uma ideia o ator mais falado e indicado para prêmios na comercial faixa dos teatros de Times Square  é o britânico Mark Rylance. Ele era diretor artístico do “Globe theater”, quando estivemos por lá com “Romeu e Julieta”. Rylance está fazendo “Noite de reis” e “Ricardo III” em sessões alternadas. A peça é um enorme sucesso de crítica e público. No BAM, maravilhoso centro cultural que dispõe de várias salas no Brooklin, Frank Langella encabeçou uma produção muito britânica e elogiada de “Rei Lear”  e no circuito não comercial, os atores do “Brendam Theater” se desdobravam em vários papéis numa bela produção de “Hamlet”

 

“Os gigantes da montanha” no Paraná e no festival de Curitiba

A mais recente produção do Galpão – “Os gigantes da montanha” de Luigi Pirandello, dirigida por Gabriel Villela se apresenta no começo de abril no festival de Curitiba. O Galpão é, certamente, o grupo brasileiro que contabiliza mais participações nesse festival, que continua sendo a maior vitrine do teatro brasileiro. É, sem dúvida, um atestado da importância e da longevidade do trabalho do grupo.

Uma Resposta para “Ultimas do Galpão”

  1. Assisti essas pecas na Broadway. Gostei tanto da Noite de Reis q fui 2 vezes. Nao consegui repetir o Ricardo III pq fui no ultimo dia, mas foi maravilhoso pq sentei no palco (nos balcoes q foram montados de cada lado do palco)? Muito muito legal ver os atores se vestindo em cena e os homens fazendo papel de mulher foi muito bacana, a musica tocada no proprio palco… legal demais! Eu estava meio doente no dia mas nem liguei, foi tao emocionate. Acho que o povo da epoca de Shakeaspeare se divertia bastante no teatro.
    seria legal se um dia, quem sabe o Galpao faz outro Shakeaspeare. Teve a Noite de Reis do Oficinao de vcs ne, foi tao lindo. Aquela coisa das meias amarelas e engracado demais.

Deixe um comentário