Close
Exit


Inês Peixoto

Atriz e diretora, nasceu em Belo Horizonte, em 1960. Ingressou no Teatro Universitário (TU), em 1979 e, em 1981, migrou para o Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (CEFAR), onde se profissionalizou. Trabalhou em vários espetáculos de produtores locais na década de 1980, entre eles: “A Viagem do Barquinho”, dirigido por Tião Camilo e Beto Lima, “Cigarras e Formigas”, de Afonso Drumond, “Brasil, Mame-o ou Deixe-o”, de Luiz Carlos Moreira, “Quando Fui Morto em Cuba”, de Belisário Barros e “Foi bom, meu bem?”, Luiz Carlos Moreira. Participou da comédia musical “No Cais do Corpo”, de Ricardo Batista, trabalho que uniu o grupo de atores e músicos, que formaria “Veludo Cotelê”, a maior banda de rock-brega do mundo. Paralelamente, produziu e atuou em “Casablanca, meu Amor”, de Yara de Novaes. Em 1992, depois de participar de uma série de workshops promovidos pelo Grupo Galpão, foi convidada para a montagem de “Romeu e Julieta”, de Gabriel Villela. Desde então, tornou-se integrante do grupo, participando das montagens seguintes: “A Rua da Amargura”, de Gabriel Villela; “Um Molière Imaginário”, de Eduardo Moreira; “Partido”, de Cacá Carvalho; “Um Trem Chamado Desejo”, de Chico Pelúcio; “O Inspetor Geral” e “Um Homem é um Homem”, ambos de Paulo José; “Pequenos Milagres”, de Paulo de Moraes; “Till, a saga de um herói torto”, de Júlio Maciel; “Eclipse”, de Jurij Alschitz e “Os Gigantes da Montanha”, de Gabriel Villela.

No cinema, participou de “Vinho de Rosas” e “O Crime da Atriz”, de Elza Cataldo; “5 Frações de Uma Quase História”, de Criz Azzi; “Outono”, de Pablo Lobato; “Tricoteios”, de Eduardo Moreira, Rodolfo Magalhães e Criz Zago; “Os Filmes que Eu Não Fiz”, de Gilberto Scarpa; “Revertere ad Locum Tum”, de Armando Mendz; “Oxianureto de Mercúrio”, de André Carreira; “Moscou”, de Eduardo Coutinho; “Meu pé de Laranja-Lima”, de Marcos Bernstein;  “Entre Vales”, de Felipe Barcinski; “Quase Memória”, de Ruy Guerra; “Redemoinho”, de José Luiz Villamarin e “As Duas Irenes”, de Fábio Meira.

Dirigiu em parceria com Rodolfo Magalhães o média-metragem “Para Tchékhov”. Montou o documentário “Portunhol”. No teatro dirigiu os espetáculos “Vexame”, “Arande Gróvore”, “Doida” e “Bumm”.

É bacharelanda em Cinema e Audiovisual pelo Centro Universitário Una, em Belo Horizonte. Na televisão participou do especial “A Paixão Segundo Ouro Preto”, de Rogério Gomes e Cininha de Paula; das minisséries “Hoje é Dia de Maria” e “Hoje é Dia de Maria- Segunda Jornada”, de Luiz Fernando Carvalho;“A Cura”, de Ricardo Waddington; “A Teia”, de Rogério Gomes; Novelas: “Meu Pedacinho de Chão”, de Luiz Fernando Carvalho e “Além do Tempo” de Rogério Gomes. Já foi agraciada com 12 prêmios por sua atuação em teatro e três prêmios por sua atuação em cinema.

Go top